Quem Somos

Nossa Historia
  • Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017
 

O Via Zen foi fundado em 1996, porém suas primeiras sementes foram plantadas a partir do final da década de sessenta, com um grupo de praticantes que se reuniam em Porto Alegre para estudar o Darma de Buda.

Em julho de 1994, o grupo recebeu a visita de Moriyama Roshi, que retornaria outras vezes para orientar a Sanga gaúcha e se tornaria mais tarde o fundador do Via Zen.

Em consequência disso, o Via Zen é fundado oficialmente em 14 de janeiro de 1996.

Ao longo dos anos seguintes, Moriyama Roshi, que residia no Japão, continuou vindo ao Via Zen para orientar a prática e conduzir Sesshins. Em fevereiro de 1998, Luis Afonso Konchin, discípulo leigo de Moriyama Roshi, doou cinco hectares de terra na área rural de Viamão para que o Roshi pudesse fundar um local de prática próprio.

Em fevereiro de 2000, Moriyama Roshi fixa residência no Via Zen como orientador espiritual. Junto com o Roshi, veio morar sua discípula Monja Angélika Zuiten. Neste mesmo ano Moriyama Roshi oficia uma cerimônia de benção da terra, dando início oficialmente ao projeto de construir um centro de prática naquele local.

Em 2002, o Via Zen recebe a visita de Togari Roshi, que faz uma doação para a construção de duas casas pré-fabricadas que até hoje servem de base para as práticas de Sesshins.

Em novembro de 2004 monja Zuiten, devido a uma doença grave, retorna a seu país, a Alemanha. Em março de 2005, Moriyama Roshi precisou retornar ao Japão para cuidar de seu mestre, e sem sua discípula Zuiten no Brasil, decide não retornar e recomenda que a sanga busque orientação com Coen Roshi. A Sanga inicia então uma aproximação com Coen Roshi.

Dia 26 de janeiro de 2007, faleceu monja Angélika Zuiten, uma grande perda para a Sanga. Zuiten é até hoje lembrada com carinho pelos anos de dedicação ao Via Zen e ao Zen no RS.

Em 14 de Setembro de 2007, Coen Roshi faz a ordenação monástica do primeiro monge da Sanga do Via Zen, monge Dengaku – hoje Dengaku Sensei. Sua ordenação abriu novas perspectivas aos membros do Via Zen e estimulou mais praticantes a se ordenarem monges ou receberem os preceitos leigos.

Em novembro de 2009, depois de quase 5 anos sem visitar o Brasil, Moriyama Roshi volta ao país e ao Via Zen. Nessa ocasião, decidiu que viria visitar a Sanga anualmente, como professor do Darma, e reforçou a orientação dada por ele mesmo em 2005, para que a Sanga do Via Zen tomasse Coen Roshi oficialmente como Orientadora Espiritual, uma aspiração também manifestada pela comunidade.

Em 24 de julho 2010, em uma Assembleia Geral Extraordinária, Coen Roshi é eleita Presidente do Conselho Religioso do Via Zen e, em uma Cerimônia de Posse, torna-se oficialmente Orientadora Espiritual da Sanga.

 
Vila Zen – um capítulo à parte
 

Com o retorno de Moriyama Roshi ao Japão em 2005, o projeto da construção de um centro de prática sofreu uma pausa, realizando-se apenas manutenções na infraestrutura e pequenas melhorias.

Em fevereiro de 2008, sem um caseiro no local e com a ocorrência de alguns arrombamentos, a Sanga encontrando dificuldades em manter aquele local, chegou a ventilar a possibilidade de entregar as terras ao doador.

Foi então que o escultor Gustavo Nakle Denshin propôs a construção de uma escultura de um Buda de 9m de altura, como um símbolo de renovação da força da Sanga. Seria uma forma de reunir todos em torno de um propósito comum, dando vida ao que ele chamou de Buda-Sanga – construir um Buda e fortalecer a Sanga.

Proposta visionária ou não, ela deu certo. A Vila Zen ganhou vida nova. Conseguimos contratar um caseiro e em torno da escultura surgiram pessoas dispostas a ajudar e doadores que criaram condições para que, em junho de 2010, se desse início às obras de um centro de prática Zen-budista.

Dois prédios já foram concluídos, o Tosu (Templo dos Sanitários) e o Zendô (Prédio de Zazen). Em julho de 2014 demos início à campanha para a construção da cozinha. Os próximos passos serão o refeitório, o Hato (Sala de Buda) e a sala de banho.